Mãe eu sou homossexual e não assassino

Estava lembrando da vez que a mãe do meu noivo viu nossa foto (juntos) como papel de parede no desktop. Foi uma choradeira, ainda bem que eu não estava lá (estava ao msn com ele). Depois disto, eles conversaram, aos poucos ela foi aceitando e hoje eu poso lá todos os sábados, domingos e feriados (ainda achamos pouco, mas trabalhamos muito e isso é outro assunto). Sorte dele que ela (minha sogra) não fez o fiasco que minha avó (sim, sou o viadinho clássico que mora com a avó) fez quando eu tentei (pela 1ª vez, em 2007) contar para ela. Ouviam-se gritos de “eu to ficando sem ar”, “eu vou morrer”, “eu não quero ouvir” e “ai meu Deus” acompanhados de muitas lágrimas e gestos (mão na cabeça e no peito, se ajoelha) dignos de um Oscar. Como estávamos em família (meus tios e minha mãe presentes) conseguiram acalmá-la e tudo voltou a ser como antes, ou seja, ela fazendo de conta que não sabe de nada e eu fazendo de conta que acredito. Minha mãe ficou sabendo nessa mesma noite e como boa evangélica que é me disse que eu deveria ir á igreja por três meses e esse demônio ia sair de mim. Pois eu fui á igreja, por quase três meses e nada mudou. Ainda por cima conheci um tecladista na igreja, trocamos mensagens pelo messenger e ficamos, haha desviei um cristão. Pois é, homossexualidade não é um demônio incorporado em alguém, fato.
Mês passado tentei (novamente sem sucesso) contar a minha avó. Comecei levando um presente que ganhei de meu noivo e deixava na casa dele há meses. Ela perguntou de quem eu havia ganhado, eu falei que de alguém muito especial que eu já tenho um relacionamento há algum tempo (um ano e três meses). Ela mudou a expressão do rosto e disse que não queria decepções em sua vida, tentei continuar e então ela disse que certas coisas não devem ser ditas, tentei mais uma vez e ela falou que era melhor eu calar a boca. Bem, eu sei (e toda a família também) que ela sabe. Ela o conhece, vou para a casa dele todos os finais de semana, ela só não quer ter certeza e ter de encarar os fatos. A minha parte eu fiz, ou tentei fazer (dependendo do ponto de vista). Um dia ainda arranjo coragem e grito: EU SOU HOMOSSEXUAL E NÃO ASSASSINO! Mania que as pessoas têm de tornar isso tragédia. Vizinhas então, nossa, sempre têm aquele comentário clássico: “Fulana do 321 descobriu que o filho gosta de homem, que tristeza, um rapaz tão jovem e bonito, que pena”. Pena eu tenho é delas que ainda vão precisar reencarnar umas trocentas vezes até aprenderem (mas deixemos minhas crenças de lado). Acreditem elas ou não, sou feliz (e muito) assim.

Este post é dedicado á todos aqueles que têm ou tiveram em sua casa dificuldades ao sair do armário (acho que 98% dos gays têm). Se você é gay e ainda não se assumiu mas pretende, ta aí uma frase pra utilizar como argumento caso haja a famosa choradeira: Mãe eu sou homossexual e não assassino.

PS: Só pra lembrar, todos os posts deste blog são opiniões pessoais expressas de forma exagerada e sarcástica e os fatos relatados são verídicos.

Anúncios

Homem é homem, menino é menino… e viado é viado

Cada vez mais as mulheres (de todas as idades) me surpreendem. São só as minhas amigas ou todas as mulheres sentem uma tara por ter algo com homossexuais???(!) Frases como: “você é um desperdício” ou “ainda vou fazer você virar macho” são constantemente ouvidas por aqui. Vejo isso acontecer muito, não só para mim ou para meu noivo, mas para amigos e amigos de amigos, tenho visto isso se repetir com frequência. Enquanto é apenas brincadeira e zoação, tudo ok. Mas quando me deparo com aquelas mulheres que se sentem na missão de “salvar” ou “resgatar” homossexuais, definitivamente eu acho o cumulo. Também tem os amigos que dizem que é uma boa técnica para pegar mulheres dizer que é gay e ainda tem os que dizem que “ainda vão me ajudar a ser macho” ha – ha – ha (se eles pensassem melhor perceberiam que assim é melhor para eles, menos concorrência). Aquele comentário clássico “se experimentar vai gostar” eu acho super desnecessário. Particularmente eu nunca experimentei. A única vez que cheguei perto de experimentar foi, por sorte, com uma amiga que não se traumatizou com minha rejeição no ato, ela deu a volta por cima e hoje é lésbica, hah. Não preciso chegar perto da “dita cuja” (genital feminina) para ter certeza de que não gosto meeeeesmo dela. Mas há mulheres que não se convencem e insistem e insistem, coitadas. Não adianta, tenho certeza que todo gay passa por isso.
Conformem-se mulheres, somos assim, aceitem.

PS: Post dedicado ás amigas Ivonilcy Mandelli e Cláudia Machado, que acham que eu deveria experimentar. Desistam amigas.

Não, eu não quero dar para você!!!

Já faz um certo tempo que vivi (algumas repetidas e cansativas vezes) uma situação ridícula ao conhecer garotos. Papo vai e papo vem, curiosidade é normal e (quase sempre) perguntam como é ser gay ou a clássica: Como é que pode o cara gostar de pinto? Bem, eu desde meus 17 aninhos sou muito bem resolvido com isso e pacientemente sempre que questionado sobre a homossexualidade levo na brincadeira, respondo de tudo e ainda faço piada. Há uma enoooooooooorme tendencia aos garotos pensarem que conversar é derivado de “dar em cima”, aliás, 80% dos caras que conheci ao longo de meus 23 aninhos (muito bem vividos) associa “conversar com” a “querer dar para”. Inúmeras vezes conheci garotos e a certa altura da troca de informações revelo ser gay e percebo a pessoa interpretar essa “revelação” como uma cantada. Até uns dois anos atrás (ultima vez que lembro de ter vivido tal situação) isso costumava me incomodar, na verdade, ainda incomoda. Mas na ultima vez lembro de ter superado isso de uma forma bem humorada: ao contar ao garoto sobre minha natureza sexual, logo disparei um “Não, eu não quero dar para você.”

Um dia ainda entendo a mente desses “héteros”.

Nem sempre tão Gay

Estes dias um amigo veio me perguntar qual termo pejorativo me ofenderia. Na mesma hora falei: Nenhum, mas pensando acerca disso percebi como os termos podem ser engraçados e mal direcionados. Começando por homossexual que embora possua o H inicial me soa como sabão em pó para lavar as partes íntimas. O termo veado eu ainda não encontrei a razão de existir e só posso associar ao Bambi. Viado pode ser de transviado (perdido, extraviado, desviado) que até tem menos falta de coerência. Puto é o termo que menos me agrada, tem associação á prostituto e nem todo gay se vende. Já o termo bixa é mais utilizado para os gays afeminados, mas nem todos o são. Enfim há uma infinidade de termos utilizados para descrever homem que sente atração por outro homem, mas o meu preferido é o GAY. Todos sabem (ou deveriam saber) que gay vem do inglês e significa alegre, feliz , divertido, satisfeito, vivo, de cores vivas, enfim características típicas de homossexual. Mas nem sempre o gay é gay, conheço tanta bixa depressiva, infeliz, mal-humorada, insatisfeita, sem vida e sem cor, que no fim das contas não da nem vontade de chamar a criatura de gay.

Eu me sinto definitivamente GAY, com todas as traduções e termos associados. Mas podem chamar do que quiserem, faço graça e ainda me divirto.

Em fim monologay

Ainda me lembro de quando pensei que aquela atração era apenas momentânea…

Mas é assim que tudo começa, não é?! A atração nos faz iniciar algo, a atração por homens me faz gay, me fez iniciar relacionamentos com homens e a atração por organizar meus pensamentos e torna-los públicos me levou a começar esse blog. Essa ideia surgiu quando parei para analisar que crio diversas vezes ao dia monólogos mentais acerca dos mais variados assuntos dentro do universo homossexual. Embora tenhamos conquistado um espaço considerável na sociedade atual, ainda nos faltam muitos direitos e ainda levamos muitos desaforos para casa (ou não, dependendo de quem e como conduz a situação) e isso é um universo infinitamente fertil para meus monólogos mentais.

Em fim, depois de meses de planejamento, finalmente monologay. Continue lendo